Orlândia, 22 de Novembro de 2017
    Programação
    Visitantes Online
    17 usuários online
    Gazeta no Smartphone
    Enquete
    Enquete ajax
    Gazeta no Facebook
    Notícias
    Novembro Azul - Pesquisa mostra que há preconceito com exame de prevenção.
    07/11/2017 - 10:35

    Segundo pesquisa da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), 38% dos homens com mais de 60 anos, ‘grupo de risco’ para câncer de próstata, consideram o exame de toque retal desnecessário.
    Não é de hoje que se conhece as inúmeras piadas com homens que atingem a idade em que se deve fazer exame de toque retal. Todo esse constrangimento criado em cima do exame faz com que muitos não procurem um médico, ignorando os perigos que isso pode trazer.

    O Câncer de Próstata é o segundo mais comum no sexo masculino. É indicado que a partir dos 45 anos o homem comece a frequentar um urologista para a prevenção. Homens com mais de 50 anos possuem maiores chances de ter a doença, sendo os acima de 60 anos considerados como ‘grupo de risco’.

    Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), realizada pelo Datafolha, entrevistou 1.062 homens acima de 40 anos nos últimos três meses. Destes, 38% não frequentam o urologista e 32% desconhecem os sintomas de câncer de próstata.

    A doença, que se desenvolve lentamente, tem suas primeiras fases assintomáticas. Alguns sinais, como sensação de que a bexiga não esvazia completamente, problemas ao urinar e sangue na urina, já indicam um estágio avançado do câncer. O diagnóstico precoce é essencial para se ter êxito no tratamento e, por isso, o exame de toque retal é tão importante.

    Segundo o presidente da SBU, Archimedes Nardozza, o exame é simples, leva apenas alguns segundos e não precisa ser feito em todas as consultas. Porém, é o suficiente para haver brincadeiras e preconceito, o que acaba intimidando os homens a cuidar de sua saúde.

    Outros dados da pesquisa revelam que 21% dos entrevistados acham que o exame de toque retal “não é coisa de homem” e 48% afirmam claramente que não fazem por machismo. De acordo com Luciana Holtz, presidente do Instituto Oncoguia, hoje, mais de 60% dos casos de câncer de próstata são descobertos quando a doença já está muito avançada.